CARREGANDO...

 
Um hospital nas alturas
04/12/2018

Vencer uma infecção bacteriana ainda no primeiro mês de vida foi uma grande vitória para a família do pequeno Heitor, que, recém-nascido, teve que ser internado às pressas. As complicações de saúde logo nos primeiros dias de vida foram uma angústia para os pais, que levaram um novo susto ao descobrir que o filho deveria ser transferido para um hospital da capital mineira. Foi durante a viagem de Governador Valadares a Belo Horizonte que o medo deu lugar à confiança e à certeza de que tudo terminaria bem. “O transporte foi rápido, e o serviço de qualidade. O atendimento e o cuidado recebidos no avião me deram tranquilidade e segurança naquele momento”, conta Argentina Ramos, que hoje comemora a recuperação total do filho.

A história de Heitor está entre tantas outras que contaram com os serviços da Unimed Aeromédica para chegar a um final feliz. Com uso de tecnologia de ponta, treinamento especializado e uma equipe experiente e qualificada, a empresa se destaca por oferecer um atendimento humanizado que vai além do cuidado no transporte aéreo. Recentemente, o serviço que, até então, era voltado apenas para clientes ligados ao Sistema Unimed, atingiu novos patamares. No atual modelo, há a oferta de outros serviços, como voos particulares, plano anual de remoção aeromédica e atendimento aos planos de saúde na modalidade auto-gestão.

O processo para o transporte aéreo é complexo e, por isso mesmo, é necessário cuidado nos mínimos detalhes. De acordo com Flávio Lopes Ferreira, gestor médico da Unimed Aeromédica, antes da transferência, são conferidos informações, dados clínicos e o histórico do paciente. Outra preocupação é com as condições do interior da aeronave, que tem características próprias. Existe a possibilidade de variação da temperatura, da pressão e da umidade do ambiente, que podem influenciar na saúde do paciente.

A preparação também passa pelos pilotos, responsáveis pelo plano de voo; pela equipe operacional, que entra em contato com as ambulâncias; e pelos médicos, que cuidam de todos os equipamentos e medicamentos necessários, além de fazer o atendimento direto. “Conferimos se, no destino, a vaga é condizente com o estado clínico do paciente. Tudo confirmado, os equipamentos são montados no avião e, em uma hora e meia, estamos aptos para decolar”, afirma Flávio.

Equipe preparada

No atendimento a Heitor, uma equipe especializada no cuidado pediátrico entrou em ação. A relação de confiança e o contato constante entre médicos e familiares transmitiram a tranquilidade que Argentina tanto precisava. “Desde a preparação do meu filho até sua transferência para o hospital, os médicos foram bastante solícitos, sempre respondendo a todas as minhas dúvidas. Fomos informados o tempo todo do estado clínico do nosso filho, o que nos deu muita segurança”, lembra.

Na Unimed Aeromédica, a equipe responsável pelo atendimento durante o transporte é formada por um médico e um enfermeiro, especializados em terapia intensiva e atendimentos de urgência e emergência. “Temos uma equipe própria, o que é um diferencial, pois permite que sejam oferecidos treinamentos e cursos de padrão internacional em várias áreas, como cardiologia, trauma, pediatria e obstetrícia”, diz o gestor médico. Além disso, a experiência conta muito. Em média, os enfermeiros estão há 10 anos no transporte aeromédico. Em relação aos médicos, a média supera os cinco anos. “Isso também é um ganho para o cliente, porque esses profissionais já passaram por várias experiências que ajudam a buscar soluções para situações específicas”.

Para Flávio, o trabalho de parceria contribui para a eficácia do serviço. “Temos que trabalhar em conjunto porque dependemos das informações da equipe médica que vai autorizar o transporte. A Unimed Aeromédica pode solicitar aconselhamento e preparo específico, o que já ajuda a estabilizar o paciente para o processo de transporte”.

Inovação no atendimento

Entre as operadoras aeromédicas privadas, a Unimed é a única que dispõe de ultrassom a bordo, além de analisador de gases, que passa por calibragem periódica e manutenções preventivas para minimizar as influências da variação de pressão do ar.

Esse tipo de equipamento é homologado para serviços no exterior, já que o Brasil não possui uma legislação específica para isso. “Se o país não disponibiliza esse benefício, a nossa preocupação é buscar a informação lá fora e oferecer um padrão internacional de transporte aeromédico para os nossos clientes”, explica Flávio. Além disso, todos os equipamentos essenciais são levados em dobro na aeronave. É o caso de ventiladores, monitores e bombas para infusão de líquidos pressurizados com dois canais, o que permite até quatro infusões monitoradas.

Na retaguarda

Mas os cuidados não param por aí. O grau de estabilidade clínica e a tolerância ao estresse do transporte aeromédico, com suas variações de pressão e umidade, também são analisados. O paciente precisa estar apto a passar por acelerações e frenagens mais bruscas, por exemplo. Por isso, a equipe busca detalhes até sobre o comprimento da pista.

Para que a segurança seja completa, é verificada a melhor alternativa para uma remoção sem riscos. Dessa forma, a Unimed Aeromédica também oferece transportes terrestres. De acordo com o gestor médico, muitas vezes a logística de um transporte aéreo faz com que se iguale ou supere o tempo de uma viagem terrestre. “É preciso saber questões estruturais e meteorológicas. Tudo é pensado, discutido e solicitado. Liberamos o transporte que proporcione mais segurança e conforto ao paciente e à sua família”, conclui.

Texto publicado originalmente na Revista Conexão – Edição 30